segunda-feira, fevereiro 6

Um mártir da ciência

Escrito por: Olavo de Carvalho

O confronto com a Inquisição não foi uma disputa entre "ciência e fé", nem muito menos entre "ciência e superstição", mas entre a pseudo-ciência presunçosa de Galileu e a ciência superior de São Roberto Belarmino.


As biografias convencionais falsificam não somente as suas doutrinas, para torná-las mais palatáveis ao gosto do público, mas os fatos materiais de suas vidas. A narrativa praticamente inteira da origem das ciências modernas, tal como aparece na mídia popular, em livros escolares, em filmes, em peças de teatro e até numa boa quantidade de obras escritas por acadêmicos, é uma farsa publicitária de dimensões colossais, que a pesquisa histórica das últimas décadas vem desmascarando impiedosamente.

As biografias convencionais de Giordano Bruno, Galileu, Newton, Copérnico, Descartes e outros pais da modernidade falsificam não somente as suas doutrinas, para torná-las mais palatáveis ao gosto do público, mas os fatos materiais de suas vidas, para embelezar esses personagens à custa da difamação de seus contemporâneos.

Se você pretende que seus filhos venham a ter uma educação de verdade, comece por não permitir que eles sejam alimentados, por um sistema educacional criminoso, com balelas idiotas que deformarão para sempre sua visão do passado histórico e farão deles bois-de-presépio, prontos a dizer "amém" aos professores analfabetos que não veem neles almas imortais a ser protegidas, mas militantes e eleitores em potencial, para a glória dos picaretas que nos governam.

Entre muitas outras, a lenda mais deformante é talvez a de Galileu Galilei como "mártir da ciência", fundador da ciência experimental e homem corajoso que enfrentou a Inquisição em nome do direito de investigar a verdade.

Para começar, qualquer pesquisador sério da história das ciências sabe que Galileu nunca raciocinou a partir de dados experimentais, mas de construções matemáticas hipotéticas que depois ele legitimava com pseudo - experimentos puramente imaginários, jamais levados à prática, e usados sempre como meios de persuasão retórica, nunca de verificação. Os poucos experimentos efetivos que ele realizou foram todos errados. 

No que Galileu estava mesmo interessado eram antigas doutrinas ocultistas e esotéricas, das quais obteve a inspiração para suas teorias e dinheiro para sustentar uma vida senhorial como autor de horóscopos para celebridades.

Em segundo lugar, ele jamais sofreu pressão ou intimidação de qualquer natureza. Sob recomendação pessoal do Papa Urbano VIII, aliás seu padrinho, ele foi tratado com o maior respeito e deferência pelos inquisidores. Ao longo de todo o processo, teve completa liberdade de movimentos e ficou hospedado na embaixada da Toscana, que seu amigo Benedetto Castelli descreveu como "a melhor de Roma" e sua filha Maria Celeste como "um lugar tão delicioso". 

O confronto com a Inquisição não foi uma disputa entre "ciência e fé", nem muito menos entre "ciência e superstição", mas entre a pseudo-ciência presunçosa de Galileu e a ciência superior de São Roberto Belarmino, que desmantelou com argumentos irrefutáveis a presunção galilaica de que o Sol fosse o centro do universo (e não só de um sistema planetário em particular).

A famosa abjuração, ante a qual gerações de vigaristas intelectuais derramaram oceanos de lágrimas de crocodilo, foi apenas uma declaração pro forma feita ante o tribunal, após a qual Galileu, sob a proteção do Papa, pôde continuar a ensinar suas mesmas doutrinas de antes sem jamais voltar a ser incomodado.

Por fim, a única penalidade que a Inquisição lhe impôs foi de uma benevolência quase obscena, que hoje soaria como favorecimento ilícito: ele foi condenado a rezar uma vez por semana, durante três anos, os sete salmos penitenciais, podendo fazê-lo em privado, isto é, sem nenhum controle da autoridade. A coisa inteira levava quinze minutos no máximo, e ele ainda não precisava submeter-se à penitência pessoalmente, podendo solicitar que suas duas filhas, ambas freiras, a fizessem em seu lugar. Nisso consistiu o "martírio" do grande homem.

Comparem esse e outros episódios do mesmo teor com os de centenas de milhões de inocentes torturados e assassinados em nome da ciência por iluministas, evolucionistas, marxistas ou nazistas, e verão que a famosa "opressão religiosa" da qual a modernidade teria nos libertado era um reino de tolerância e benevolência que a brutalidade da vida moderna soterrou num passado cada vez mais distante, cada vez mais inimaginável.


Fonte: Mídia Sem Máscara

8 comentários:

  1. esse discurso realmente não convence - ainda fico com a historia da História... " ...quanto mais distante do evento, mais se criam mitos..."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sempre temos o direito de "crer" dar crédito ou ter fé no que quisermos, porém, a fé que contruímos sobre determinado assunto, não altera a realidade dos fatos. Se quiser fontes confiáveis em matéria de História da Igreja, basta consultar os Links:

      http://www.youtube.com/watch?v=Gpuz3LEny28
      http://www.youtube.com/watch?v=TyXSmLD61cM
      http://www.youtube.com/watch?v=e2dNp-e21O0

      Paz e bem

      Excluir
  2. Realmente esse discurso não convence - fico com a história da História - "... quanto mais nos distanciamos do evento original, mais esquecemos suas verdades..."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por favor, ver comentário acima! Paz e bem

      Excluir
  3. Então, quem matou galileu? unica pergunta para resumir todo o fato.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Galileu, morreu de velho, em sua casa, assistido por sua família e após receber o viático! Obrigado por perguntar! Paz e bem

      Excluir
  4. A igreja foi autora das maiores atrocidades dos tempos, as cruzadas, a iquisição que julgou sem base nenhuma varias "bruxas" com uma tecnica grotesta chegando ao ponte de afogar uma pessoa para atestar se era bruxa ou pessoa comum, se morresse era uma pessoa bomum, e até hoje apenas jesus "sobreviveu" a morte.

    ResponderExcluir
  5. Vamos exclarecer: As cruzadas foram uma Reação à invação militar a terrenos que desde muito tempo sempre fez parte do patrimônio cultural, histórico e social da Cristandade, que era uma comunidade Católica. Claro que houve muita coisa errada, porém, me diga onde nunca houve coisa errada? As mazelas humanas não foram obra da Igreja, são obras dos seres humanos. E na Igreja está cheio de seres humanos, sugeitos à errar e pecar como em todo lugar, por que na Igreja seria diferente? Por acaso você está intuíndo que por ser uma instituição divina, não deveria errar?

    Sobre a Inquisição, suas fontes brasileiras e Anti-Católicas estão erradas. Antes da Inquisição, bastava que uma pessoa fosse acusada de bruxaria e ela era morta por linxamento público, a Igreja, então, instituiu a Inquisição que SALVOU muitas vidas, por que passou a ter um processo jurídico sobre as questões de bruxaria. E pelo mesmo motivo que o anterior, houve muito problema, mas claro, não por deficiência da Igreja e sim deficiência nossa.

    Me diga uma instituição, cultura ou sociedade, que nunca cometeu nenhuma "atrocidade" com outros seres humanos? Porém, me diga uma instituição que foi capaz de gerar pessoas como João Paulo II, Madre Teresa de Calcutá, São Francisco, São João Maira Vianei, São Maximiliano Kolbe e entre tantos outros que são vistos apenas no seio da Igreja?!

    Paz e bem

    ResponderExcluir

Que Deus não permita que a Verdade não seja vista por nossos olhos e nem deixada de ser dita por nossas bocas! Paz e bem