terça-feira, abril 23

Questionando Roberto


Com todo o respeito à pessoa de Roberto Francisco Daniel (Padre Beto), que é Padre da diocese de Bauru, que possui um elevadíssimo conhecimento intelectual, comprovado por seus inúmeros trabalhos, faculdades e habilidades. Preciso deixar bem claro, que AMO este padre. Por ser criatura de Deus. Feito a imagem e semelhança de Deus e por isso, merece todo respeito e amor. Também o amo, por ele ser ainda, filho de Deus, pois é um Batizado. E por último o amo por ser padre. Padre da Igreja Católica Apostólica Romana. Um ser humano, dotado de dons e defeitos como eu e como qualquer outro. As linhas subseqüentes não se referem à pessoa do Padre Beto, mas sim à declarações que ele tem proferido pelo seu site Padre Beto e principalmente por uma declaração feita por ele a um Site chamado Bauru TV que pode ser conferida clicando no Link. Não aconselho o conteúdo a ninguém, pois para mim o conteúdo não acrescenta em nada.


 É preciso entender que muita coisa do que Pe. Beto diz, tem algum fundamento, porém, a grande maioria de seu conteúdo, não tem base doutrinária, tem muito mais base em suas próprias opiniões. Eis seu argumento apresentado no vídeo acima e pode ser evidenciado à partir do minuto 4:20 do vídeo, mas você pode constatar na íntegra o argumento a seguir:

Padre Beto: “Deus nos deu o conhecimento, a razão humana, para conhecer o mundo e o ser humano, então se a ciência humana está constatando, que hoje em dia já não da mais para você enquadrar o ser humano em homossexual, bissexual, heterossexual, nós deveríamos nos enquadrar simplesmente como seres sexuados, e que o amor pode surgir em qualquer destes níveis... se a ciência está chegando a este ponto, de nos levar a este nível de consciência, a Igreja precisa estudar bem isso, caso contrário ela vai... cometer um pecado. O pecado de não saber amar o seu próximo, eu sei amar o meu próximo, a partir do momento que eu conheço este próximo, então a Igreja vai ter que mudar sim, ela vai ter que mudar, mas não por que a sociedade mudou, mas sim por que a ciência e o conhecimento humano evoluíram. E nós não podemos jogar fora, 2000 anos de conhecimento humano, e ficar afirmando coisas, que estão na bíblia sim, frases que estão na bíblia sim, mas que são frutos do quê? Não do Espírito Santo, frases que são frutos da cultura da época, isso que nós não podemos fazer.”

1º PONTO

“... a ciência humana está constatando, que hoje em dia... se a ciência está chegando a este ponto... ela [A Igreja] vai ter que mudar... por que a ciência e o conhecimento humano evoluíram...”

Na opinião de padre Beto, a Igreja, deveria mudar seus valores, seus conceitos e até mesmo os dogmas, por que a ciência evoluiu. Primeiro que ele toma como certo a suposta “evolução da ciência”, o que em si mesmo não há nem mesmo comprovação teórica e muito menos tal hipótese pode ser comprovada na prática, pois se tomarmos como ciência todo conhecimento empírico que o Homem dispõe no momento, com qual outro conhecimento poderá ser comparado o conhecimento humano para se afirmar que “a ciência e o conhecimento humano evoluíram...”? Esta afirmação é apenas fruto da opinião do padre, apenas isso, mais nada.

Outra questão importante, é que o padre, acredita que a ciência, ou seja, o conjunto de conhecimentos de diversas áreas, adquirido pelo Homem são imutáveis e até mesmo dogmáticos, pois somente tal ‘crença’ explicaria a afirmação de que a Igreja “vai ter que mudar...”, por que a ciência mudou, ou evoluiu, tanto faz, o fato é que a ciência irá mudar novamente, se não em todos os pontos, irá mudar em muitos. Apenas para citar alguns exemplos: Até o ano de 2005, plutão, era considerado planeta, e hoje já não é mais; Um recém nascido deveria sempre ser colocado de lado para evitar sufocamentos, hoje em dia ele deve ser colocado de barriga pra cima; antes um psicótico maníaco depressivo era chamado assim, mas hoje é Bipolar.

Ou seja, de acordo com o padre Beto, a Igreja de Cristo (CIC 816), ou seja, o próprio Cristo (CIC 789), deve se sujeitar ao conhecimento humano, por que este conhecimento evoluiu. Porém, esta afirmação contradiz completamente o que afirma o Catecismo da Igreja Católica (CIC) em seu número 157, que diz: A fé é certa, mais certa que qualquer conhecimento humano, porque se funda na própria Palavra de Deus, que não pode mentir. Sem dúvida, as verdades reveladas podem parecer obscuras à razão e à experiência humanas, mas ‘a certeza dada pela luz divina é maior que a que é dada pela luz da razão natural.’ Dez mil dificuldades não fazem uma única dúvida.”

Tal afirmação revela uma profunda descrença do Mistério que é a Igreja. A Igreja seria apenas uma instituição humana que deve se mover conforme as opiniões científicas e talvez os próprios cientistas devam ser então divinizados, pois seriam eles a ditar no que Crê a fé da Igreja.

2º PONTO

“...E nós não podemos jogar fora, 2000 anos de conhecimento humano...”

Que 2000 anos de “conhecimento humano” está se referindo o padre Beto? Quem tem 2000 anos de história é a Igreja e não o conhecimento humano, que tem suas fontes muito mais remotas do que 2000 anos. Apenas querendo lembrar que o Pai da Ciência Moderna, Aristóteles que viveu entre 384 a 322 a.C., e o conhecimento humano não tem origem em Aristóteles, vem muito antes dele, na verdade ele é um grande compilador de um conhecimento muito anterior a ele próprio. Sou forçado a acreditar que possa ter sido um lapsus linguae, que ele mesmo não percebeu. Mas que demonstra o quanto é importante uma edição após uma entrevista.

3º PONTO

“...E nós não podemos... ficar afirmando coisas, que estão na bíblia sim, frases que estão na bíblia sim, mas que são frutos do quê? Não do Espírito Santo, frases que são frutos da cultura da época, isso que nós não podemos fazer...”

Acredito que neste ponto, padre Beto tenha acreditado no discurso do mundo, de que a Igreja é fundamentalista e que a Bíblia, não seja mais nada que um livro que expressa convicções preconceituosas e ultrapassadas, ou seja, a meu ver, e em meu julgamento, padre Beto caiu no modismo de pensar e professar como todos, ou seja, ele diz que a Igreja não deve seguir o modismo, mas ele próprio segue os modismos e de forma contraditória ele acaba afirmando que a Igreja deve sim ser modista.

Mas como debater esta questão tão delicada? Apresento aqui a Palavra da Igreja. Igreja esta que concedeu a ele o dom da ordenação sacerdotal, que o fez ser o que ele é hoje. É preciso antes informar, que a Igreja, quando se refere à Bíblia, não utiliza tal palavra, mas sim ela diz Sagradas Escrituras. Bíblia é um termo simplista que não expressa o que cremos a cerca do objeto, pois para nós, católicos, de fato, tais escrituras, são sagradas. Eis o que a Igreja ensina em sua Constituição Dogmática Dei verbum: “A Sagrada Tradição e a Sagrada Escritura constituem um só sagrado depósito da palavra de Deus confiado à Igreja” (DV. 10).

Com o fragmento de frase “não podemos ficar afirmando coisas que estão na Bíblia”, padre Beto parece não apenas questionar o Magistério da Igreja, como ainda não crer que ele seja de fato autêntico, porém a Igreja nos ensina que “o ofício de interpretar autenticamente a palavra de Deus escrita ou transmitida foi confiado unicamente ao Magistério vivo da Igreja, cuja autoridade se exerce em nome de Jesus Cristo” (DV 10).

4º PONTO

“...a Igreja precisa estudar bem isso, caso contrário ela vai... cometer um pecado...”

A Igreja é o Corpo de Cristo, no qual Cristo Jesus é a cabeça e nós somos os seus membros (CIC 774 a 776). Neste ponto cai por terra tudo aquilo que a Igreja ensina, se um padre Católico, acredita que a Igreja, ou seja, Cristo tenha pecado, ou possa pecar, logo, acredito que o padre Beto deve se perguntar se ele ainda é de fato Católico. Faço tal afirmação com amor e caridade, porém, não sou eu que estou me contradizendo e sim o próprio padre Beto.

5º PONTO

“...homossexual, bissexual, heterossexual, nós deveríamos nos enquadrar simplesmente como seres sexuados, e que o amor pode surgir em qualquer destes níveis...”

O amor, de fato pode surgir em qualquer um destes “níveis”, mas o que o padre Beto entende por amor? A maior prova de amor que existe, é dar a vida pelo irmão (Jo 15,13), ou seja, é o sacrifício, sexo, não tem nada a ver, hoje em dia com amor.

Se um homem, ama outro homem, sabe que este comportamento é contra a lei natural e fecham o ato sexual ao dom da vida (CIC 2357-2359), reduzindo-o a um ato puramente físico, o que é uma ofensa grande para a vida e ao que ela representa.

E ainda: “A vocação para o Matrimônio está inscrita na própria natureza do homem e da mulher, conforme saíram da mão do Criador. O casamento não é uma instituição simplesmente humana, apesar das inúmeras variações que sofreu no curso dos séculos, nas diferentes culturas, estruturas sociais e atitudes espirituais. Essas diversidades não devem fazer esquecer os traços comuns e permanentes.” (CIC 1603)

O homem e a mulher foram criados um para o outro (CIC 1605) e não homem para homem e nem mulher para mulher, pois não há complementaridade. Sou contra até mesmo à união estável entre indivíduos do mesmo sexo, pois acredito que quem é a favor deste tipo de união, peca por falta de caridade com os que assumem tal modalidade de relacionamento humano.

PARA FINALIZAR

Como cidadão, padre Beto tem todo direito de afirmar o que quiser, de falar o que quiser, porém, ele é PADRE, ou seja, é Católico. Ele não é obrigado a ser católico, muito menos ser padre, porém, se o fez por livre vontade, ele deve agora respeitar aquilo que ele mesmo escolheu por livre vontade seguir, ou sair.

O que padre Beto está fazendo, é incoerência, e tal incoerência vinda de uma pessoa com tamanhas capacidades, me leva a pensar que talvez ele mesmo não esteja vendo suas próprias incoerências, ou apenas que ele esteja fazendo isso com o intuito único de destruir a Igreja do lado de dentro, mas prefiro acreditar na primeira hipótese.

Seria como se um torcedor do Corínthians se filiasse à Gaviões da Fiel, que é uma torcida organizada do time do Corínthians, e no dia do jogo do Palmeiras X Corínthians, este mesmo torcedor, resolve aparecer na arquibancada do Corínthians com a camisa do Palmeiras... ele tem o direito de fazer isso? Claro que não, pois foi escolha dele não se filiar à torcida do Palmeiras e sim a do Corínthians.

Acredito que seria muito mais sincero e honesto da parte do padre Beto, defender abertamente seus posicionamentos e deixar bem claro que o que ele ensina, NÃO É A DOUTRINA CATÓLICA, que tudo o que ele faz é na verdade propagar suas próprias idéias, e quem sabe, no seu caso, até cogitar a hipótese de, ou mudar de idéia e não apenas estar com a máscara de Católico, mas ser Católico, ou simplesmente ser coerente com seu discurso e sair da Igreja.

Digo isso, com amor e doçura, eu tenho apenas este texto na tela de um computador para dizer isso, mas padre Beto deve entender que há questões que NUNCA MUDARÃO NA IGREJA, pois caso mudem, ela deixará de ser A IGREJA DE CRISTO. Todo católico está obrigado a professar que as Sagradas Escrituras são parte da Palavra de Deus e que sua interpretação é permitida somente ao Magistério. Padres não são parte do Magistério.

Há muitas questões que padre Beto ainda afirma em outros textos, vídeos e entrevistas, que em breve estaremos fazendo alguma referência.

Finalizo com as palavras do Papa Francisco: "Toda interpretação ideológica, de qualquer parte vier, é uma falsificação do Evangelho. E esses ideólogos – como vimos na história da Igreja – acabam por se tornar intelectuais sem talento, moralistas sem bondade. Nem falemos de beleza, porque disso eles não entendem nada".

Peço que Nossa Senhora faça chegar A VERDADE ao coração do Padre Beto, que ele torne-se novamente católico e pare de ensinar suas próprias idéias, que podem levar não apenas ele mas também aqueles que de boa fé o escutam, para bem longe do caminho do Senhor. Amém

Paz e bem

Um comentário:

  1. É... Realmente, precisamos rezar por ele. E por todos nós! Amém.

    ResponderExcluir

Que Deus não permita que a Verdade não seja vista por nossos olhos e nem deixada de ser dita por nossas bocas! Paz e bem